Coligação e controle

Resumo:

Bora lá estudar a coligação e o controle no âmbito das sociedades anônimas (S/As)? Sim, esse é o tema do presente Roteiro de Procedimentos... Estudaremos a participação reciproca, responsabilidade dos administradores e a responsabilidade da controlada.

Hashtags: #sociedadeAnonima #companhia #controleSocietario #coligacaoSocietaria

Postado em: - Área: Sociedades Anônimas (S/A).

1) Introdução:

Falaremos no presente Roteiro de Procedimentos sobre coligação e controle, no âmbito das sociedades anônimas (S/As)... Para tanto, precisamos introduzir nosso amigo leitor na temática através da conceituação de sociedade coligada e sociedade controlada.

De acordo com a Lei nº 6.404/1976, são coligadas as sociedades nas quais a investidora tenha influência significativa, situação que ocorre quando a investidora detém ou exerce o poder de participar nas decisões das políticas financeira ou operacional da investida, mas sem controlá-la (1). Por outro lado, é considerada controlada a sociedade na qual a controladora, diretamente ou através de outras controladas, é titular de direitos de sócio que lhe assegurem, de modo permanente, preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a maioria dos administradores.

Portanto, o que atualmente vale para configurar a coligação entre sociedades não é a quantidade de ações que uma detém sobre a outra, mas, sim, a existência da já conceituada influência significativa (2).

Vale mencionar que o relatório anual da administração deve relacionar os investimentos da companhia em sociedades coligadas e controladas e mencionar as modificações ocorridas durante o exercício. Além disso, a companhia aberta deve divulgar as informações adicionais a respeito de coligadas e controladas que forem exigidos pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Feitos essa introdução, daremos continuidade nos próximos capítulos sobre a temática ora apresentada, onde veremos os seguintes temas:

  1. participação reciproca;
  2. responsabilidade dos administradores;
  3. responsabilidade da controlada.

Bora lá!!!

Notas VRi Consulting:

(1) Registra-se que é presumida influência significativa quando a investidora for titular de 20% (vinte por cento) ou mais dos votos conferidos pelo capital da investida, sem controlá-la.

(2) Até 28/05/2009 o conceito de influência significativa era diferente, pois antes a Lei nº 6.404/1976 assim a conceituava "Art. 243 (...) § 1º São coligadas as sociedades quando uma participa, com 10% (dez por cento) ou mais, do capital da outra, sem controlá-la.". Essa redação foi alterada pela Lei nº 11.941/2009 que trouxe o novo conceito e que é válido até os dias atuais.

Base Legal: Art. 243 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Participação recíproca:

De acordo com o artigo 244 da Lei nº 6.404/1976, é vedada a participação recíproca entre a companhia e suas coligadas ou controladas. Vale aqui citar um importante doutrinador, Adalberto Simão Filho, o qual descrevendo sobre a participação recíproca, salienta que:

"(...) a participação recíproca entre a companhia e suas coligadas ou controladas é proibida por lei (art. 244, da LSA), sob pena de responsabilidade solidária dos administradores de forma civil e penal, equiparando-se à compra ilegal das próprias ações". (SIMÃO FILHO, 2012, p. 189).

Porém, existe uma exceção à proibição da participação reciproca... O artigo 244, § 1º da Lei nº 6.404/1976 estabelece que ela não se aplica ao caso em que ao menos uma das sociedades participa de outra com observância das condições em que a lei autoriza a aquisição das próprias ações (3), conforme artigo 30, § 1º, "b" da Lei nº 6.404/1976:

Negociação com as Próprias Ações

Art. 30. A companhia não poderá negociar com as próprias ações.

§ 1º Nessa proibição não se compreendem:

a) as operações de resgate, reembolso ou amortização previstas em lei;

b) a aquisição, para permanência em tesouraria ou cancelamento, desde que até o valor do saldo de lucros ou reservas, exceto a legal, e sem diminuição do capital social, ou por doação;

c) a alienação das ações adquiridas nos termos da alínea b e mantidas em tesouraria;

d) a compra quando, resolvida a redução do capital mediante restituição, em dinheiro, de parte do valor das ações, o preço destas em bolsa for inferior ou igual à importância que deve ser restituída.

§ 2º A aquisição das próprias ações pela companhia aberta obedecerá, sob pena de nulidade, às normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, que poderá subordiná-la à prévia autorização em cada caso.

§ 3º A companhia não poderá receber em garantia as próprias ações, salvo para assegurar a gestão dos seus administradores.

§ 4º As ações adquiridas nos termos da alínea b do § 1º, enquanto mantidas em tesouraria, não terão direito a dividendo nem a voto.

§ 5º No caso da alínea d do § 1º, as ações adquiridas serão retiradas definitivamente de circulação. (Grifo nossos)

Assim, ocorrendo essas operações, deverão ser enquadradas no regime de autoaquisição, considerando-se, para todos os efeitos, as ações adquiridas pela controlada ou pela sociedade investida em tesouraria, sem direito patrimonial ou pessoal (voto) de qualquer espécie.

Prescreve, igualmente, o artigo 244 da Lei nº 6.404/1976 que essas aquisições recíprocas devem, rigorosamente, serem feitas com recursos de saldo de lucros e reservas, sem ofensa, portanto, do capital social. Se não forem obedecidas essas prescrições, ou seja, intangibilidade do capital social, estará configurada a devolução ilegal de capital.

Vele mencionar que o disposto no artigo 30, § 2º da Lei nº 6.404/1976 aplica-se à aquisição de ações da companhia aberta por suas coligadas e controladas. Portanto, as aquisições recíprocas também se subordinam às determinações administrativas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Observa-se que as ações do capital da controladora, de propriedade da controlada, terão suspenso o direito de voto. Somente quando forem alienadas pela controladora ou coligada investida é que essas ações de emissão da controladora ou da coligada investidora readiquirão o direito pessoal ao voto.

Quando a participação recíproca ocorrer em virtude de incorporação, fusão ou cisão, ou da aquisição, pela companhia, do controle de sociedade, deverá ser mencionada nos relatórios e demonstrações financeiras de ambas as sociedades, e será eliminada no prazo máximo de 1 (um) ano; no caso de coligadas, salvo acordo em contrário, deverão ser alienadas as ações ou quotas de aquisição mais recente ou, se da mesma data, que representem menor porcentagem do capital social.

A aquisição de ações ou quotas de que resulte participação recíproca com violação ao disposto neste artigo importa responsabilidade civil solidária dos administradores da sociedade, equiparando-se, para efeitos penais, à compra ilegal das próprias ações.

Nota VRi Consulting:

(3) No caso dessa exceção, a sociedade deverá alienar, dentro de 6 (seis) meses, as ações ou quotas que excederem do valor dos lucros ou reservas, sempre que esses sofrerem redução.

Base Legal: Art. 244 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.1) Código Civil/2002

O Código Civil/2002 importou a vedação à participação recíproca inserida no artigo 244 da Lei nº 6.404/1976:

Art. 1.101. Salvo disposição especial de lei, a sociedade não pode participar de outra, que seja sua sócia, por montante superior, segundo o balanço, ao das próprias reservas, excluída a reserva legal.

Parágrafo único. Aprovado o balanço em que se verifique ter sido excedido esse limite, a sociedade não poderá exercer o direito de voto correspondente às ações ou quotas em excesso, as quais devem ser alienadas nos cento e oitenta dias seguintes àquela aprovação.

Portanto, coexistem 2 (duas) regras distintas relativas à participação recíproca no Brasil, quais sejam:

  1. sociedades anônimas, regulamentadas pela Lei nº 6.404/1976, a regra segundo a qual a participação recíproca é vedada apenas entre as sociedades controladas ou coligadas; e
  2. sociedades limitadas e outras sociedades personificadas não reguladas por lei especial, a regra do Código Civil/2002, de acordo com a qual não pode haver participação recíproca, independentemente das sociedades serem controladas ou coligadas.

Essa divisão legal, a nosso ver, não atende aos princípios gerais do Direito Societário Brasileiro, principalmente pelo fato de que se aplica maior rigor às sociedades limitadas, estrutura empresarial tipicamente mais simples que as sociedades anônimas. Justifica-se, portanto, que sociedades personificadas não reguladas por lei especial, em particular as limitadas, possam adotar o mesmo tratamento conferido às sociedades anônimas no que se refere à participação recíproca.

Base Legal: Art. 1.101 do Código Civil/2002 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

3) Responsabilidade dos administradores:

O legislador, preocupado em proteger as companhias que estão em coligação ou controle, veio tipificar a responsabilidade dos administradores. Assim, a Lei nº 6.404/1976 veio estabelecer que os administradores não podem, em prejuízo da companhia, favorecer sociedade coligada, controladora ou controlada, cumprindo-lhes zelar para que as operações entre as sociedades, se houver, observem condições estritamente comutativas, ou com pagamento compensatório adequado.

A doutrina societária sobre negócios entre partes relacionadas vai na mesma direção:

Ao administrador cabe observar os critérios de prudência e lealdade na defesa dos interesses negociais da companhia, não podendo, em prejuízo desta, estabelecer relações com coligadas, controladoras ou controladas, que visem ao benefício destas últimas em detrimento daquela, sob sua administração. Assim, nos negócios jurídicos realizados entre companhias pertencentes ao mesmo grupo de fato, deve ser rigorosamente observadas bases estritamente comutativas no que respeita às prestações devidas e pagamento compensatório adequado (4).

Me chamo Raphael AMARAL, fundador deste Portal que a anos vem buscando ajudar administradores, advogados, contadores e demais interessados, através de publicações técnicas de primeira qualidade e 100% gratuitos. São anos de estudos compartilhados com nossos amigos leitores.

Bom, estou aqui para agradecer seu acesso... Obrigado de coração, se não fosse você não teria motivação para continuar com esse trabalho... Bora com a VRi Consulting escalar conhecimento.

Doações via Pix:

Gosta do conteúdo?, que tal fazer um Pix para ajudar a manter o Portal funcionando:

  • Chave Pix: pix@vriConsulting.com.br

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Dessa forma, o único efeito que tais participações relevantes podem ter sobre as controladas é a eleição dos administradores, que serão indicados pela sociedade controladora. No caso de coligada, esse efeito pode ou não ocorrer, tendo em vista tratar-se apenas de participação minoritária, ainda que significativa, de uma (sociedade investidora) em outra (sociedade investida).

Enfatizamos a importância do zelo dos administradores, estes devem gerir as companhias sob sua responsabilidade com a mesma diligência que empregariam na administração de seu patrimônio!!!

Portanto, o legislador ao procurar coibir o favorecimento de controladas, controladoras ou coligadas teve por objetivo proteger a companhia, bem como preservar o interesse dos demais acionistas. Naturalmente, a Lei nº 6.404/1976 tem por objeto principal as companhias de capital aberto, mas sua aplicação é extensiva às companhias fechadas.

Por fim, não respeitada essas disposições, os administradores responderão perante a companhia pelas perdas e danos resultantes de atos praticados com infração ao disposto neste artigo.

Nota VRi Consulting:

(4) CARVALHOSA, Modesto, Comentários à Lei de Sociedades Anônimas. 4º Volume: tomo II – Arts. 243 a 300 – 5ª Edição revista e atualizada. São Paulo: Saraiva, 2014, P. 62.

Base Legal: Art. 245 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

4) Responsabilidade da controlada:

A sociedade controladora será obrigada a reparar os danos que causar à companhia por atos praticados com infração ao disposto nos artigos 116 e 117 da Lei nº 6.404/1976, que estabelecem os deveres e responsabilidades do acionista controlador.

A ação para haver reparação cabe:

  1. a acionistas que representem 5% (cinco por cento) ou mais do capital social;
  2. a qualquer acionista, desde que preste caução pelas custas e honorários de advogado devidos no caso de vir à ação ser julgada improcedente.

A sociedade controladora, se condenada, além de reparar o dano e arcar com as custas, pagará honorários de advogado de 20% (vinte por cento) e prêmio de 5% (cinco por cento) ao autor da ação, calculados sobre o valor da indenização.

Base Legal: Art. 246 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) VRi Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal VRi Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal VRi Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"VRi Consulting. Coligação e controle (Área: Sociedades Anônimas (S/A)). Disponível em: https://www.vriconsulting.com.br/artigo.php?id=870&titulo=coligacao-e-controle-sociedades-anonimas. Acesso em: 22/04/2024."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Penhor industrial e mercantil

Examinaremos neste Roteiro de Procedimentos os aspectos específicos sobre o penhor na modalidade industrial e mercantil. Para tanto, utilizaremos como base os artigos 1.447 a 1.450 do Código Civil/2002. Caso o leitor queira conhecer as normas (regras) gerais sobre esse importantíssimo instituto do direito brasileiro, recomendamos a leitura do Roteiro intitulado Penhor, facilmente encontrado em nosso site através do sistema de busca. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Títulos de Crédito


Sociedade de Economia Mista

A Sociedade de Economia Mista é uma espécie de pessoa jurídica de direito privado que integra o rol dos entes jurídicos pertencentes à Administração pública indireta, sendo que, em regra, é criada pelo Estado. Ela é constituída para prestar seus serviços no campo da atividade econômica privada, sob a forma de Sociedade Anônima, no qual o sócio majoritário será sempre o Poder Público ou algum outro ente da Administração Pública, observando os ter (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


STF mantém entendimento sobre fim de eficácia de decisões definitivas em matéria tributária

Ao julgar recursos apresentados por empresas, o Supremo Tribunal Federal (STF) manteve, nesta quinta-feira (4), o entendimento de que uma decisão definitiva sobre tributos recolhidos de forma continuada perde seus efeitos quando a Corte se pronunciar, posteriormente, em sentido contrário. Por maioria de votos, os recursos (embargos de declaração) foram atendidos apenas para não permitir a cobrança de multas tributárias, de qualquer natureza, dos contribuin (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Assuntos gerais sobre tributação)


Analista de suporte que atuava como pessoa jurídica obtém vínculo de emprego

Sentença da 1ª Vara do Trabalho de Carapicuíba-SP reconheceu o vínculo empregatício entre uma empresa de tecnologia e um trabalhador sem registro em carteira de trabalho. O homem alegou que atuava como pessoa jurídica (PJ), mas que o modelo era apenas uma forma de mascarar a relação de emprego. Em contestação, a empresa apresentou decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF) para argumentar pela legalidade da forma de contrato. Mas, para o juiz (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Imposto de Renda 2024: saiba como declarar venda de imóveis e carro financiado

No momento de declarar o Imposto de Renda, muitos contribuintes se deparam com dúvidas sobre como relatar transações envolvendo imóveis e automóveis. Esses questionamentos, frequentemente, referem-se aos processos de compra, venda e financiamento, e à forma como esses eventos influenciam a tributação. Aqui está um guia simples para esclarecer esses pontos-chaves da declaração do IR em 2024. Declaração de venda de imóveis Ao vender um imóvel, o c (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF))


Atuação como militante sindical não caracteriza relação de emprego

Uma mulher que prestou serviços para entidade sindical por oito anos não obteve reconhecimento de vínculo empregatício com o sindicato, como pretendia em reclamação trabalhista. Para o juízo de 1º grau, ficou evidente a ocupação dela como militante sindical, não como empregada daquela associação. A trabalhadora conta que atuou de 2015 a 2023 no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo, (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


STF define que segurado não pode escolher cálculo mais benéfico para benefício da Previdência

Por maioria, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a regra de transição do fator previdenciário, utilizada para o cálculo do benefício dos segurados filiados antes da Lei 9.876/1999, é de aplicação obrigatória. Prevaleceu o entendimento de que, como a Constituição Federal veda a aplicação de critérios diferenciados para a concessão de benefícios, não é possível que o segurado escolha uma forma de cálculo que lhe seja mais benéfica. Tam (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito previdenciário)


Bancário pode ser remunerado por minuto em que exerce função de caixa dentro da jornada

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a validade de disposição do regulamento interno da Caixa Econômica Federal (CEF) que prevê a remuneração proporcional aos minutos dedicados pelos bancários à função de caixa. Para o colegiado, essa norma, conhecida como "caixa-minuto", está alinhada ao poder diretivo do empregador e não constitui alteração contratual lesiva aos funcionários. Risco de erro O Sindicato dos Empregados em Estab (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Aspectos legais dos condomínios

No presente Roteiro de Procedimentos faremos considerações acerca do instituto do condomínio, suas espécies, classificações, e direitos e deveres dos condôminos. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


Cooperativas de trabalho

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras especiais relativas às cooperativas de trabalho, tais como, sua constituição, sua organização e funcionamento, bem como, as questões relacionadas à fiscalização e penalidades a elas aplicáveis. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei nº 12.690/2012 e outras que serão citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


Consórcio: Atos de constituição, alteração e extinção

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os artigos 90 a 94 da Instrução Normativa Drei nº 81/2020, que dispõe sobre os atos de constituição, alteração e extinção de consórcio. Também faremos breves comentários sobre às questões tributárias previstas na Instrução Normativa RFB nº 1.199/2011, que dispõe sobre os procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos artigos 278 e 279 da Lei nº 6.404/1976 e do arti (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


Nutricionista tem vínculo de emprego reconhecido com hospital que exigiu pejotização

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho recusou examinar recurso da Hapvida Assistência Médica Ltda. contra decisão que reconheceu o vínculo de emprego entre uma nutricionista e um hospital de Salvador (BA). O colegiado ressaltou que a controvérsia não foi decidida com base na ilicitude da terceirização de serviços, mas na constatação dos elementos que caracterizam a relação de emprego. Pejotização Na ação, a nutricionista disse ter (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Loja de material de construção é multada por descumprir ordem de não abrir em feriado

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu a condenação da Bigolin Materiais de Construção Ltda., de Toledo (PR) ao pagamento de multa de R$ 100 mil por desrespeitar ordem judicial para não operar num feriado nacional. Para o colegiado, o valor de R$ 6.465,30 estipulado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região era insignificante e não garantia a eficácia da determinação judicial. Feriado O Sindicato dos Empregados no Comér (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Ausência de formação específica inviabiliza aprendiz na função de vigilante

Sentença da 8ª Vara do Trabalho de São Paulo concluiu que aprendiz não pode exercer função de vigilante. Isso porque o exercício da profissão exige curso específico e o aprendiz não formado está impossibilitado de portar a arma de fogo garantida ao exercício da atividade. A decisão é da juíza Lávia Lacerda Menendez, que negou ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra empresa de vigilância por suposto descumprime (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Administradora de shopping não tem de controlar jornada de empregados de lojas

A Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho confirmou decisão que libera o Condomínio Complexo Shopping Curitiba de incluir nos contratos cláusulas que preveem controle da jornada dos empregados das lojas pela administradora do shopping. As obrigações haviam sido impostas por sentença em ação civil pública, que foi anulada por ação rescisória. Jornadas estafantes O Ministério Público do Trabalh (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Declaração de impostos: mudanças trazidas pela EFD-Reinf em 2024

A Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf) começa a ser adotada em substituição à Dirf. A mudança visa simplificar o processo obrigatório de declaração de impostos ao qual estão sujeitas diversas categorias de contribuintes. Esse procedimento inclui, por exemplo, contribuições sociais retidas na fonte, pagamentos efetuados e serviços tomados. Assim, os dados - que, antes, constavam no antigo modelo, que e (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Assuntos gerais sobre tributação)