Deveres e responsabilidades dos administradores

Resumo:

Tomando por base as disposições da Lei das S/As, aprovada pela Lei nº 6.404/1976, analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os aspectos gerais sobre os deveres e responsabilidades dos administradores da sociedade anônima (ou companhia, como alguns diriam).

Hashtags: #sociedadeAnonima #companhia #administrador #deverAdministrador #responsabilidadeAdministrador #conflitoInteresse #deverInformar #disclosure

Postado em: - Área: Sociedades Anônimas (S/A).

1) Introdução:

Primeiramente, cabe nos esclarecer que os administradores da sociedade anônima (ou companhia, como alguns diriam) possuem deveres e responsabilidades que devem ser observados quando do exercício de suas funções (1). No que se refere aos deveres, estabelece a Lei das S/As (artigos 153 a 157), aprovada pela Lei nº 6.404/1976, que os administradores possuem 3 (três) deveres primordiais para com a companhia, quais sejam: i) o dever de diligência; ii) o dever de lealdade e; iii) o dever de informar.

Registra-se que, além dos deveres expressamente previstos Lei das S/As, o Estatuto Social da companhia poderá determinar o exercício obrigatório de outros deveres por decisão da assembleia, conforme veremos mais adiante.

O não cumprimento dos deveres acima pode imputar ao administrador responsabilidades no campo administrativo, civil e até criminal. A má-gestão, seja pela incompetência, falta de dedicação ou até mesmo por não concordância com os demais administradores pode gerar, em regra, implicações de cunho meramente administrativo, que vão desde o rebaixamento do administrador para um cargo inferior até a sua destituição, sendo que para que isso ocorra, não se faz necessário qualquer processo formal, haja vista ser inerente à companhia o direito de escolha de seus gestores.

No entanto, muitas vezes, a má-gestão não é ocasionada pela simples falta de qualificação do administrador, adentrando em seara de maior impacto. São os casos em que se percebe a prática de ato ilícito por parte do administrador, praticados com culpa ou dolo ou violação de Lei ou Estatuto. Em tais casos, a sociedade teria o direito de pleitear uma indenização do administrador que serviria para recompor o prejuízo causado por ele à companhia. Ter-se-ia, então, a imprescindibilidade de todo um processo de conhecimento, no qual seriam apurados os limites do ato ilícito praticado, bem como o montante da indenização.

Interessante ressaltar que a companhia não é obrigada a acionar judicialmente o administrador; no entanto, caso decida fazê-lo, deverá destituí-lo imediatamente. Ainda, no sentido de evitar conchavos internos que beneficiem administradores inescrupulosos, a Lei das S/As assegura aos acionistas o direito de ajuizar o feito, caso a companhia não o faça no prazo de 3 (três) meses ou decida por não promover a ação de responsabilidade.

Em alguns casos, a conduta irregular adotada pelo administrador pode caracterizar ilícito penal. Como exemplo de crimes costumeiramente praticados por administradores, temos os tipos definidos no artigo 177 do Código Penal, relativos ao estelionato e outras fraudes contra o patrimônio. Têm-se também condutas que podem ser consideradas crimes contra o Sistema Financeiro Nacional (SFN), nos termos da Lei nº 7.492/1986, a ordem tributária, econômica e das relações de consumo, conforme a Lei nº 8.137/1990 e, ainda, o mercado de capitais, de acordo com o que estabelece a Lei nº 6.385/1976.

Feitos esses brevíssimos comentários, passaremos a analisar nos próximos capítulos os aspectos gerais sobre os deveres e responsabilidades dos administradores da sociedade anônima (ou companhia, como alguns diriam). Para tanto, utilizaremos como base de estudo os artigos 153 a 160 da Lei das S/As, que trata do assunto com riqueza de detalhes.

Nota VRi Consulting:

(1) Oportuno observar que tais deveres e responsabilidades se estendem aos diretores e membros do Conselho de Administração das companhias.

Base Legal: Art. 177 do Código Penal/1940; Arts. 153 a 160 da Lei nº 6.404/1976; Lei nº 6.385/1976; Lei nº 7.492/1986 e; Lei nº 8.137/1990 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Deveres dos administradores:

Os artigos 153 a 157 da Lei das S/As estabelecem uma série de deveres e restrições que devem ser observados pelos administradores quando do exercício de suas funções, quais sejam:

  1. o dever de diligência;
  2. o dever de lealdade; e
  3. o dever de informar.

Registra-se que, além dos deveres expressamente previstos Lei das S/As, o Estatuto Social da companhia poderá determinar o exercício obrigatório de outros deveres por decisão da assembleia.

Nos próximos subcapítulos analisaremos cada um desses deveres de forma mais detalhada.

Base Legal: Arts. 153 a 157 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

2.1) Dever de diligência:

O primeiro dos deveres do administrador da companhia é denominado dever de diligência, que pauta-se na obrigação do administrador empregar, no exercício de suas funções, o cuidado e a diligência que seriam usualmente empregados por todo homem ativo e probo (2) na administração de seus próprios negócios, sejam eles pessoais ou familiares. Em palavras mais simplificadas, o administrador deve gerir o negócio da companhia com competência, dedicação, empenho e zelo como se o negócio seu o fosse.

Nota VRi Consulting:

(2) De acordo com o Novo Dicionário Aurélio da língua portuguesa, probo é um adjetivo que significa de caráter integro; honesto, honrado, reto, justo.

Base Legal: Art. 153 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

2.2) Exercício das atribuições no interesse da companhia:

O administrador deve exercer as atribuições que a Lei e o Estatuto Social lhe conferem sempre buscando alcançar os fins e os interesses da companhia, satisfazendo, ainda, as exigências do bem público e da função social da empresa.

Além disso, o administrador eleito por grupo ou classe de acionistas tem, para com a companhia, os mesmos deveres que os demais, não podendo, ainda que para defesa do interesse dos que o elegeram, faltar a esses deveres (obrigações).

Registra-se que a Lei das S/As proíbe expressamente ao administrador:

  1. praticar atos de liberalidade à custa da companhia, sob pena de responderem pelo valor econômico da liberalidade, juntamente com os acionistas que aprovarem o ato;
  2. sem prévia autorização da assembleia-geral ou do Conselho de Administração, tomar por empréstimo recursos ou bens da companhia, ou usar, em proveito próprio, de sociedade em que tenha interesse, ou de terceiros, os seus bens, serviços ou crédito;
  3. receber de terceiros, sem autorização estatutária ou da assembleia-geral, qualquer modalidade de vantagem pessoal, direta ou indireta, em razão do exercício de seu cargo (3).

Caso ocorra qualquer das infrações anteriormente listadas, os infratores (administradores ou acionistas) serão obrigados a indenizar a companhia pelo valo do proveito obtido e demais danos.

Notas VRi Consulting:

(3) As importâncias recebidas com infração ao disposto na letra "c" pertencerão à companhia.

(4) O Conselho de Administração ou a diretoria podem autorizar a prática de atos gratuitos razoáveis em benefício dos empregados ou da comunidade de que participe a empresa, tendo em vista suas responsabilidades sociais.

Base Legal: Art. 154 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.3) Dever de lealdade:

O administrador deve servir com lealdade à companhia e manter reserva (sigilo) sobre os seus negócios (insider trading), sendo-lhe vedado:

  1. usar, em benefício próprio ou de outrem, com ou sem prejuízo para a companhia, as oportunidades comerciais de que tenha conhecimento em razão do exercício de seu cargo;
  2. omitir-se no exercício ou proteção de direitos da companhia ou, visando à obtenção de vantagens, para si ou para outrem, deixar de aproveitar oportunidades de negócio de interesse da companhia;
  3. adquirir, para revender com lucro, bem ou direito que sabe necessário à companhia, ou que esta tencione adquirir.

Cumpre, ademais, ao administrador de companhia aberta, guardar sigilo sobre qualquer informação que ainda não tenha sido divulgada para conhecimento do mercado, obtida em razão do cargo e capaz de influir de modo ponderável na cotação de valores mobiliários, sendo-lhe vedado valer-se da informação para obter, para si ou para outrem, vantagem mediante compra ou venda de valores mobiliários (5) (6).

Por fim, temos que é vedada a utilização de informação relevante ainda não divulgada, por qualquer pessoa que a ela tenha tido acesso, com a finalidade de auferir vantagem, para si ou para outrem, no mercado de valores mobiliários.

Notas VRi Consulting:

(5) O administrador de companhia aberta deve zelar para que a violação do disposto neste parágrafo não possa ocorrer através de subordinados ou terceiros de sua confiança.

(6) A pessoa prejudicada em compra e venda de valores mobiliários, contratada com infração do disposto neste parágrafo ou na Nota 5, tem direito de haver do infrator indenização por perdas e danos, a menos que ao contratar já conhecesse a informação.

Base Legal: Art. 155 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

2.4) Conflito de interesses:

É vedado ao administrador intervir em qualquer operação social em que tiver interesse conflitante com o da companhia, bem como na deliberação que a respeito tomarem os demais administradores, cumprindo-lhe cientificá-los do seu impedimento e fazer consignar, em ata de reunião do Conselho de Administração ou da diretoria, a natureza e extensão do seus interesses.

No entanto, mesmo com a cientificação, o administrador somente pode contratar com a companhia em condições razoáveis ou equitativas, idênticas às que prevalecem no mercado ou em que a companhia contrataria com terceiros. Se assim não for, o negócio contratado tornar-se-á é anulável e o administrador interessado será obrigado a transferir para a companhia as vantagens que dele tiver auferido.

Por fim, registra-se que as vedações contidas na Lei das S/As têm em conta cercear procedimentos lesivos aos interesses da companhia que o administrador poderia praticar usando as prerrogativas de seu cargo.

Base Legal: Art. 156 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

2.5) Dever de informar (disclosure):

O administrador de companhia aberta deve declarar, ao firmar o termo de posse ou em documento com ele simultaneamente firmado, o número de ações, bônus de subscrição, opções de compra de ações e debêntures conversíveis em ações, de emissão da companhia e de sociedades controladas ou do mesmo grupo, de que seja titular.

Ainda a respeito das companhias abertas, o administrador é obrigado a revelar à assembleia-geral ordinária, a pedido de acionistas que representem 5% (cinco por cento) ou mais do Capital Social:

  1. o número dos valores mobiliários de emissão da companhia ou de sociedades controladas, ou do mesmo grupo, que tiver adquirido ou alienado, diretamente ou através de outras pessoas, no exercício anterior;
  2. as opções de compra de ações que tiver contratado ou exercido no exercício anterior;
  3. os benefícios ou vantagens, indiretas ou complementares, que tenha recebido ou esteja recebendo da companhia e de sociedades coligadas, controladas ou do mesmo grupo;
  4. as condições dos contratos de trabalho que tenham sido firmados pela companhia com os diretores e empregados de alto nível;
  5. quaisquer atos ou fatos relevantes nas atividades da companhia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os esclarecimentos prestados pelo administrador poderão, a pedido de qualquer acionista, ser reduzidos a escrito, autenticados pela mesa da assembleia, e fornecidos por cópia aos solicitantes. A revelação dos atos ou fatos acima mencionados só poderá ser utilizada no legítimo interesse da companhia ou do acionista, respondendo os solicitantes pelos abusos que praticarem.

Os administradores da companhia aberta são obrigados a comunicar imediatamente à bolsa de valores e a divulgar pela imprensa qualquer deliberação da assembleia-geral ou dos órgãos de administração da companhia, ou fato relevante ocorrido nos seus negócios, que possa influir, de modo ponderável, na decisão dos investidores do mercado de vender ou comprar valores mobiliários emitidos pela companhia.

Entretanto, o administrador poderá recusar-se a prestar a informação prevista na letra "e" acima ou deixar de divulgá-la conforme o parágrafo anterior, se entenderem que sua revelação porá em risco interesse legítimo da companhia, cabendo à Comissão de Valores Mobiliários, a pedido dos administradores, de qualquer acionista, ou por iniciativa própria, decidir sobre a prestação de informação e responsabilizar os administradores, se for o caso.

Outro dever não menos importante que os administradores da companhia aberta deverão observar é àquele previsto no artigo 157, § 6º da Lei das S/As, que prescreve que eles deverão informar imediatamente, nos termos e na forma determinados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a esta e às bolsas de valores ou entidades do mercado de balcão organizado nas quais os valores mobiliários de emissão da companhia estejam admitidos à negociação, as modificações em suas posições acionárias na companhia.

Base Legal: Art. 157 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

3) Responsabilidade dos administradores:

Os administradores são os responsáveis por celebrar os contratos em nome da companhia. No entanto, é a companhia quem responde por essas obrigações, uma vez que o administrador é somente um representante seu.

Dessa forma, em relação à responsabilidade civil, os administradores não respondem pessoalmente (com seu patrimônio particular) pelas obrigações que contraírem em nome da companhia e em virtude de atos normais de gestão. Quem irá responder é a própria companhia, pois as obrigações são dela e não dos administradores.

No entanto, o administrador responderá pessoalmente, na esfera civil, pelos prejuízos que causar, quando proceder dentro de suas atribuições ou poderes, mas com culpa ou dolo, ou com violação da Lei ou do Estatuto Social.

O administrador não é responsável por atos ilícitos de outros administradores, de sorte que, se houver uma deliberação ilegal para a qual não tenha contribuído com seu voto, estará isento de qualquer responsabilidade.

No entanto, será solidariamente responsável com os demais administradores e, eventualmente, com os diretores, se com os atos ilícitos por estes praticados for conivente, se negligenciar em descobri-los ou se, deles tendo conhecimento, deixar de agir para impedir a sua prática. Exime-se de responsabilidade o administrador dissidente que fazer consignar sua divergência em ata de reunião do órgão de administração ou, não sendo possível, dela der ciência imediata e por escrito ao órgão da administração, no Conselho Fiscal, se em funcionamento, ou à assembleia-geral.

Além disso, a Lei das S/As prescreve que:

  1. os administradores são solidariamente responsáveis pelos prejuízos causados em virtude do não cumprimento dos deveres impostos por Lei para assegurar o funcionamento normal da companhia, ainda que, pelo Estatuto Social, tais deveres não caibam a todos eles. É o que se dá, por exemplo, quando o Presidente do Conselho de Administração retarda a convocação, que a ele compete, e a companhia, por isso, perde o prazo para se habilitar em uma licitação;
  2. nas companhias abertas, a responsabilidade referida na letra "a" anterior ficará restrita, ressalvado o disposto na letra "c" a seguir, aos administradores que, por disposição do Estatuto Social, tenham atribuição específica de dar cumprimento àqueles deveres;
  3. o administrador que, tendo conhecimento do não cumprimento desses deveres por seu predecessor, ou pelo administrador competente nos termos da letra "b", deixar de comunicar o fato a assembleia-geral, tornar-se-á por ele solidariamente responsável;
  4. responderá solidariamente com o administrador quem, com o fim de obter vantagem para si ou para outrem, concorrer para a prática de ato com violação da Lei ou do Estatuto Social.
Base Legal: Art. 158 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

Me chamo Raphael AMARAL, fundador deste Portal que a anos vem buscando ajudar administradores, advogados, contadores e demais interessados, através de publicações técnicas de primeira qualidade e 100% gratuitos. São anos de estudos compartilhados com nossos amigos leitores.

Bom, estou aqui para agradecer seu acesso... Obrigado de coração, se não fosse você não teria motivação para continuar com esse trabalho... Bora com a VRi Consulting escalar conhecimento.

Doações via Pix:

Gosta do conteúdo?, que tal fazer um Pix para ajudar a manter o Portal funcionando:

  • Chave Pix: pix@vriConsulting.com.br

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



4) Ação de responsabilidade civil:

Compete à companhia, mediante prévia deliberação da assembleia-geral, a ação de responsabilidade civil contra o administrador, pelos prejuízos causados ao seu patrimônio.

Referida deliberação poderá ser tomada em assembleia-geral ordinária e, se prevista na ordem do dia, ou for consequência direta de assunto nela incluído, em assembleia-geral extraordinária.

O administrador ou os administradores contra os quais deva ser proposta a ação ficarão automaticamente impedidos de exercer seus cargos e deverão ser substituídos na mesma assembleia que deliberar pela propositura da ação de responsabilidade civil.

Caso a ação não seja proposta no prazo de 3 (três) meses contados da deliberação da assembleia-geral, qualquer acionista poderá promovê-la. Se a assembleia deliberar não promover referida ação, esta poderá ser proposta por acionistas que representem 5% (cinco por cento), pelo menos, do Capital Social.

Os resultados da ação promovida por acionista deferem-se (reverte-se) à companhia, mas esta deverá indenizá-lo, até o limite daqueles resultados, de todas as despesas em que tiver incorrido, inclusive correção monetária e juros dos dispêndios realizados.

Por fim, cabe esclarecer que o juiz poderá reconhecer a exclusão da responsabilidade do administrador, se convencido de que este agiu de boa-fé e visando ao interesse da companhia.

Nota VRi Consulting:

(7) A ação prevista neste capítulo não exclui a que couber ao acionista ou terceiro diretamente prejudicado por ato de administrador.

Base Legal: Art. 159 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).

5) Extensão aos órgãos técnicos e consultivos:

As normas tratadas neste Roteiro de Procedimentos aplicam-se aos membros de quaisquer órgãos, criados pelo Estatuto Social, com funções técnicas ou destinados a aconselhar os administradores.

Base Legal: Art. 160 da Lei nº 6.404/1976 (Checado pela VRi Consulting em 24/03/24).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) VRi Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal VRi Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal VRi Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"VRi Consulting. Deveres e responsabilidades dos administradores (Área: Sociedades Anônimas (S/A)). Disponível em: https://www.vriconsulting.com.br/artigo.php?id=378&titulo=deveres-responsabilidades-dos-administradores-sociedades-anonimas. Acesso em: 22/04/2024."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Penhor industrial e mercantil

Examinaremos neste Roteiro de Procedimentos os aspectos específicos sobre o penhor na modalidade industrial e mercantil. Para tanto, utilizaremos como base os artigos 1.447 a 1.450 do Código Civil/2002. Caso o leitor queira conhecer as normas (regras) gerais sobre esse importantíssimo instituto do direito brasileiro, recomendamos a leitura do Roteiro intitulado Penhor, facilmente encontrado em nosso site através do sistema de busca. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Títulos de Crédito


Sociedade de Economia Mista

A Sociedade de Economia Mista é uma espécie de pessoa jurídica de direito privado que integra o rol dos entes jurídicos pertencentes à Administração pública indireta, sendo que, em regra, é criada pelo Estado. Ela é constituída para prestar seus serviços no campo da atividade econômica privada, sob a forma de Sociedade Anônima, no qual o sócio majoritário será sempre o Poder Público ou algum outro ente da Administração Pública, observando os ter (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


STF mantém entendimento sobre fim de eficácia de decisões definitivas em matéria tributária

Ao julgar recursos apresentados por empresas, o Supremo Tribunal Federal (STF) manteve, nesta quinta-feira (4), o entendimento de que uma decisão definitiva sobre tributos recolhidos de forma continuada perde seus efeitos quando a Corte se pronunciar, posteriormente, em sentido contrário. Por maioria de votos, os recursos (embargos de declaração) foram atendidos apenas para não permitir a cobrança de multas tributárias, de qualquer natureza, dos contribuin (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Assuntos gerais sobre tributação)


Analista de suporte que atuava como pessoa jurídica obtém vínculo de emprego

Sentença da 1ª Vara do Trabalho de Carapicuíba-SP reconheceu o vínculo empregatício entre uma empresa de tecnologia e um trabalhador sem registro em carteira de trabalho. O homem alegou que atuava como pessoa jurídica (PJ), mas que o modelo era apenas uma forma de mascarar a relação de emprego. Em contestação, a empresa apresentou decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF) para argumentar pela legalidade da forma de contrato. Mas, para o juiz (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Imposto de Renda 2024: saiba como declarar venda de imóveis e carro financiado

No momento de declarar o Imposto de Renda, muitos contribuintes se deparam com dúvidas sobre como relatar transações envolvendo imóveis e automóveis. Esses questionamentos, frequentemente, referem-se aos processos de compra, venda e financiamento, e à forma como esses eventos influenciam a tributação. Aqui está um guia simples para esclarecer esses pontos-chaves da declaração do IR em 2024. Declaração de venda de imóveis Ao vender um imóvel, o c (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF))


Atuação como militante sindical não caracteriza relação de emprego

Uma mulher que prestou serviços para entidade sindical por oito anos não obteve reconhecimento de vínculo empregatício com o sindicato, como pretendia em reclamação trabalhista. Para o juízo de 1º grau, ficou evidente a ocupação dela como militante sindical, não como empregada daquela associação. A trabalhadora conta que atuou de 2015 a 2023 no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo, (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


STF define que segurado não pode escolher cálculo mais benéfico para benefício da Previdência

Por maioria, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a regra de transição do fator previdenciário, utilizada para o cálculo do benefício dos segurados filiados antes da Lei 9.876/1999, é de aplicação obrigatória. Prevaleceu o entendimento de que, como a Constituição Federal veda a aplicação de critérios diferenciados para a concessão de benefícios, não é possível que o segurado escolha uma forma de cálculo que lhe seja mais benéfica. Tam (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito previdenciário)


Bancário pode ser remunerado por minuto em que exerce função de caixa dentro da jornada

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a validade de disposição do regulamento interno da Caixa Econômica Federal (CEF) que prevê a remuneração proporcional aos minutos dedicados pelos bancários à função de caixa. Para o colegiado, essa norma, conhecida como "caixa-minuto", está alinhada ao poder diretivo do empregador e não constitui alteração contratual lesiva aos funcionários. Risco de erro O Sindicato dos Empregados em Estab (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Aspectos legais dos condomínios

No presente Roteiro de Procedimentos faremos considerações acerca do instituto do condomínio, suas espécies, classificações, e direitos e deveres dos condôminos. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


Cooperativas de trabalho

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras especiais relativas às cooperativas de trabalho, tais como, sua constituição, sua organização e funcionamento, bem como, as questões relacionadas à fiscalização e penalidades a elas aplicáveis. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei nº 12.690/2012 e outras que serão citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


Consórcio: Atos de constituição, alteração e extinção

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os artigos 90 a 94 da Instrução Normativa Drei nº 81/2020, que dispõe sobre os atos de constituição, alteração e extinção de consórcio. Também faremos breves comentários sobre às questões tributárias previstas na Instrução Normativa RFB nº 1.199/2011, que dispõe sobre os procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos artigos 278 e 279 da Lei nº 6.404/1976 e do arti (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Sociedades empresariais


Nutricionista tem vínculo de emprego reconhecido com hospital que exigiu pejotização

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho recusou examinar recurso da Hapvida Assistência Médica Ltda. contra decisão que reconheceu o vínculo de emprego entre uma nutricionista e um hospital de Salvador (BA). O colegiado ressaltou que a controvérsia não foi decidida com base na ilicitude da terceirização de serviços, mas na constatação dos elementos que caracterizam a relação de emprego. Pejotização Na ação, a nutricionista disse ter (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Loja de material de construção é multada por descumprir ordem de não abrir em feriado

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu a condenação da Bigolin Materiais de Construção Ltda., de Toledo (PR) ao pagamento de multa de R$ 100 mil por desrespeitar ordem judicial para não operar num feriado nacional. Para o colegiado, o valor de R$ 6.465,30 estipulado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região era insignificante e não garantia a eficácia da determinação judicial. Feriado O Sindicato dos Empregados no Comér (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Ausência de formação específica inviabiliza aprendiz na função de vigilante

Sentença da 8ª Vara do Trabalho de São Paulo concluiu que aprendiz não pode exercer função de vigilante. Isso porque o exercício da profissão exige curso específico e o aprendiz não formado está impossibilitado de portar a arma de fogo garantida ao exercício da atividade. A decisão é da juíza Lávia Lacerda Menendez, que negou ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra empresa de vigilância por suposto descumprime (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Administradora de shopping não tem de controlar jornada de empregados de lojas

A Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho confirmou decisão que libera o Condomínio Complexo Shopping Curitiba de incluir nos contratos cláusulas que preveem controle da jornada dos empregados das lojas pela administradora do shopping. As obrigações haviam sido impostas por sentença em ação civil pública, que foi anulada por ação rescisória. Jornadas estafantes O Ministério Público do Trabalh (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Declaração de impostos: mudanças trazidas pela EFD-Reinf em 2024

A Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf) começa a ser adotada em substituição à Dirf. A mudança visa simplificar o processo obrigatório de declaração de impostos ao qual estão sujeitas diversas categorias de contribuintes. Esse procedimento inclui, por exemplo, contribuições sociais retidas na fonte, pagamentos efetuados e serviços tomados. Assim, os dados - que, antes, constavam no antigo modelo, que e (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Assuntos gerais sobre tributação)